mulheres empreendedoras

Mulheres Empreendedoras: Uma grande força na economia!

As mulheres estão com tudo no mercado de trabalho. Com o empoderamento feminino, elas puderam mostrar o seu valor e provar que são tão capazes de empreender e movimentar a economia quanto qualquer homem.

Em 2018, uma pesquisa feita pelo SEBRAE, em seu Panorama de Pequenas Empresas, provou que cerca de 1/3 das empresas brasileiras são administradas ou dirigidas por mulheres.

Neste artigo iremos mostrar a importância das mulheres para a economia e falar sobre o crescente aumento feminino em atividades empreendedoras. Então continue a leitura e surpreenda-se!

O poder feminino nos grandes empreendimentos

Estudos recentes provam que a quantidade de famílias chefiadas por mulheres vem crescendo anualmente, tanto nas regiões urbanas quanto nas rurais, em todo o Brasil.

A Escola Nacional de Seguros, em 2018, fez um levantamento que obteve os seguintes resultados:

• em 2001, o total de famílias chefiadas por mulheres era de 51,5 milhões e passou a ser de 71,3 milhões em 2015, um aumento de quase 39%;

• já as famílias chefiadas por homens tiveram um crescimento de apenas 13% no mesmo período.

Isso vem ocorrendo devido ao aumento da valorização da mulher no mercado de trabalho, ao seu empenho em atingir posições mais elevadas dentro das empresas e também pelo desejo de ter seu próprio negócio.

Muitas famílias não têm mais receio de mostrar que as mulheres são as principais provedoras da casa e isso é um estímulo para que, cada vez mais,empresas sejam conduzidas por mãos femininas.

Empreendedoras de sucesso!

Existem muitas histórias de grandes empreendedoras no Brasil e no mundo. A seguir, iremos mostrar algumas delas e quais foram seus negócios ou iniciativas. Confira!

Renata Marcolino – Mil e Uma Sapatilhas

Para acabar com as dívidas da família, a ex-fonoaudióloga começou a vender sapatilhas seguindo o método porta-a-porta até que, em 2008, após faturar 40 milhões, ela decidiu abrir uma fábrica própria.

Entretanto, ela não abriu mão da revenda e,por cerca de dois meses, comercializou mais de 1000 pares de sapatilhas.

Com o crescimento de seu negócio, Renata decidiu montar uma loja física e no dia da inauguração, em 2015, vendeu cerca de 500 pares de sapatos.

A partir deste grande sucesso, ela fez um contrato com uma distribuidora para conseguir abastecer os estoques econta hoje com mais de 140 outras unidades.

Camila Felix – The Shaky

Não se sentindo realizada com seu trabalho como advogada no Fórum da cidade de Lins (interior de SP), Camila Felix decidiu buscar um ramo de atividade que lhe agradasse.

Após um ano de pesquisa de mercado ela viu que em sua cidade havia apenas sorveterias tradicionais, então resolveu inovar com MilkShakes criativos, como o Shakup, um tipo de petit gateau montado na caneca criado para satisfazer os clientes durante o inverno.

A The Shaky passou de um estabelecimento com 30 metros para um de 70, principal ponto de encontro para muitos moradores e em 2018, faturou R$3 milhões.

A próxima pode ser você

Nesta postagem você conferiu como as mulheres têm contribuído para a nossa economia e como o número de empreendedoras ou gestoras têm aumentado. A próxima pode ser você.

Com isso, se você pensa em ter seu próprio negócio, não perca tempo e procure orientações, faça pesquisas de mercado e seja dona do seu próprio futuro!

Gostou do artigo de hoje? Então nos deixe uma mensagem e aproveite para nos contar se você é empreendedora e qual é o seu tipo de negócio.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *